Otherbiography, aham.

E ela olhou profundamente para os olhos cor-de-mel da foto, quase sentindo o doce deles. Aqueles olhos dizem tanto sobre ele, embora muitas vezes o seu doce seja meio incomum. Um tanto amargo, um tanto irônico. Como café forte, algo que você aprende a gostar. Num suspiro, ela lembra o quanto adora sentir aquele olhos marrons quentes subirem até o seu rosto e queimá-lo. Como gosta de abraçar seu corpo e sentir seu cheiro inconfundivelmente seu. O cheiro dele é algo muito particular, que nenhum perfume pode disfarçar. Ele está sempre lá, se sobrepondo à qualquer fragrância. Algo de másculo, algo que me faz implorar aos dias que deixem de moleza e passem rápido, para que eu possa vê-lo e sentí-lo. Algo que a torna tão viciada nele como é. O tempo é um amigo infiel, que curte ignorar os lamentos deprimidos das pessoas. O tempo a impossibilita de tê-lo com ela agora. A impossibilita de ter seus lábios arrepiando a pele do seu pescoço e deixando-a tão molenga quanto alguém pode ficar sem cair. E esperar nunca foi mesmo seu forte. Ela sente ansiedade e vontade. Vontade de viver tudo de uma vez e, mesmo assim, ainda ter muito para viver. Com o mundo, mas principalmente com ele.

Ela ainda quer dormir com os pés enrolados no dele, a cabeça no peito cabeludo dele, embalada por sua respiração e adormecida pelo cheiro dele, tão perfeito ao seu nariz, a deliciosa combinação de um banho bem tomado com a testosterona que derrete por seus poros. Ela ainda quer acordar com a respiração dele em sua nuca, os braços dele jogados em cima da sua cintura e suas mãos confortável e desleixadamente em cima dos seus seios, como se ali fosse mesmo o lugar onde eles sempre queriam e deveriam estar. Quer ouvir um eu te amo como bom dia, dito pela voz áspera de um recém-acordado ao pé do ouvido, acompanhado por um beijo atrás da orelha, que sempre a arrepia e a faz querer pegar todo ele e, de alguma forma, enfiá-lo dentro de si para sempre. Para que nunca possa sentir falta dele, para que nunca mais tenha que sentir a dolorida dor da saudade. Ela ainda quer tantas coisas com ele e ainda há tanto tempo para realizá-las, embora ela ansie. O mundo gira em seu próprio tempo, independentemente dos desejos loucos  urgentes dela e da sua mania de querer tudo aqui e agora.

Ela bate o pé, amuada, para esse tempo ingrato, quando se lembra. Foi o mesmo mundo que gira devagar que o trouxe para ela. O melhor presente que ela poderia ter ganho, em qualquer tempo. Foi esse mundo que trouxe e ela realmente deveria parar de querer viver tudo de uma vez e aproveitar o que ela pode ter agora. Afinal, ela só terá dezenove uma vez. Fazer amor numa cama é coisa para velhos. É tempo de avaliar as possibilidades. Ou melhor testar as possibilidades. Ela lembra da escada e ri. Ah, se escadas falassem! Não crê que sua mãe ficaria muito satisfeita.

Anúncios

8 thoughts on “Otherbiography, aham.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s