Pensamentos de um ônibus cheio.

Na verdade, os pensamentos são meus. Eu acho.

Sabe que um dia desses eu estava voltando da faculdade – do primeiro dia de aula do período, actually. Que foi bastante bom. Tudo bem que eu tive que aturar o Sr. Olhos de Gata no Cio. E ainda terei que aturá-lo pelo resto do período. Provavelmente pelo resto do curso. Mas desde que ele guarde as piadinhas dele para ele mesmo não haverá problemas. Hm, I don’t see it happening. Quero dizer, ele guardar suas piadinhas para si mesmo. Mas, enfim, tinha uma professora que eu não conhecia. Ela geralmente ensina as turmas de Cinema, mas vai dar Técnica de Entrevista e Reportagem para a nossa turma de Jornalismo. Já empolguei de cara com a cadeira, embora eu veja que ela vai ser uma das mais trabalhosas do período. Mas estou divagando. Não era sobre isso que eu queria falar, de modo algum. Queria falar dos meus pensamentos no ônibus. Um em particular. Não sei se acontece com vocês, mas minha mente trabalha loucamente no ônibus. Tenho 387 ideias diferentes – e infelizmente, nem sempre uma caneta fácil para anotá-las. Mas eis que dessa fatídica vez eu tinha uma. Anotei e aqui estou para comentar com vocês.

Eu estava lá, sentada numa cadeira para deficiente. Não me olhem assim. Não tinha nenhum deficiente/velhinho/grávida em pé. De modo que não ia ficar em pé, olhando para  a cadeira vazia. Tem nem graça. Mas, enfim, fiquei me perguntando: O que impede alguém de ser mau caráter? É, juro, me perguntei sobre isso. Quero dizer, não um mau cárater cara de pau, que é mau cárater na frente de todo mundo e as suas atitudes não enganam ninguém. Acho que um mau cárater desse deixa até de ser mau caráter, por que QUEM é que vai cair nas armações de alguém que se sabe que não presta? E se a pessoa é alesada, me desculpa a sinceridade, mas merece mesmo uns pedalas da vida de vez em quando. Pra ver se toma jeito de gente e se endireita. Ora. A verdade é que não tem a menor graça (?) ser um mau caráter cara de pau. Por que, e a surpresa né? Mas o outro tipo de mau-caratismo, o verdadeiro. O que nos impede de ser assim? Quer dizer, o que me impede de enrolar uma faixa na minha perna todo dia e ande mancando, só pra conseguir que alguém me ceda o lugar no ônibus? Ou de colocar um travesseiro no meio da barriga e fingir que estou grávida, só pra geral ter peninha de mim e me deixar ir sentada do lado da janela, por que né. EU POSSO ENJOAR, ESSE NEGÓCIO DE GRAVIDEZ E TAL E COISA.

Deve ser aquilo que chamam de bom senso, né? Não sei por que o nome dele é bom, afinal de contas. Pra mim, não me serve de nada. Me impede de viver a vida menos estressantemente – ou vocês acham que é FÁCIL andar no CDU/Várzea lotado, em pé, com estranhos praticando um bullying (no sentido de bolinação, mesmo) em você? Deixar de estar sentado numa cadeira que, ok, não me pertence SÓ POR QUE NÃO É CERTO é algo que eu não consigo entender, embora continue fazendo.

Estou sendo sociopata, né Carolda?

Esse post não é para fazer sentido, gente. Foi só uma ideia que passou pela minha cabeça febril num ônibus lotado.

Esse texto começou a ser escrito dia 11 de agosto de 2010.

Anúncios

22 thoughts on “Pensamentos de um ônibus cheio.

  1. Essa coisa de cadeira reservada ainda é bastante discutível. Cara, às vezes eu fico muito puta com aqueles velhinhos que sobem por trás mesmo quando o lugarzinho deles (o famoso reservado) está vazio. Gente, tem limite, né?

    Ninguém ajuda quando nós ESTUDANTES estamos com aquelas enciclopédias gigantes e não tem nenhuma cadeira pra sentar. É raro ter uma alma boa. Daí que eu penso, porque vou ser tão bozinha 24h por dia?

    Ônibus lotado é uma coisa que deixa a gente meio alterada, hein?

    Beijo!

  2. Ai guria, andar em pé de ônibus é um ó mesmo, mas eu também não sento não. E fico puta da cara quando vejo um velhinho/grávida/mãe-com-criança-de-colo de pé, porque né, se é difícil pra mim manter o equilíbrio, imagino pra eles! Eu vivo me desequilibrando com minha bolsa, fico imaginando como deve ser segurar um neném, tipo, impossível!
    Beijos

  3. Eu meio que já perdi as contas de quantas vezes eu já me peguei pensando/me indignando com as mesmas coisas. Tudo que a gente passa/vê quando anda de ônibus (enquanto segura os nossos livros que NINGUÉM quer segurar pra gente ¬¬) daria um livro…

    Beijocas.

  4. Eu te entendo, já me questionei isso também…
    No meu caso, o que me impede de ser mau carater (pelo menos no onibus) é o julgamento das pessoas…Sei que isso é idiota, mas me importo com o que os outros pensam se faço algo errado…
    Já somos mau julgados fazendo a coisa certa, imagina a errada!

    Lindo o blog, adorei 😀

  5. Seu blog é lindo, estou seguindo já.
    E também faço jornalismo, mas estou bem no começo ^^
    E eu tbm divago em ônibus, mas nunca nesse tipo de divagação, nunca havia pensado no que impede alguém de ser mau-caráter haha
    Eu divago mais criando histórias, quase percos os pontos de descida de tanto que viajo, literalmente haha
    Beijos
    Bruna
    desbravandohistorias.com.br

  6. Você faz jornalismo? Que legal; também quero fazer, mas sou muito nova. Talvez daqui sei lá 6/7 anos rs. Concordo quando diz no sentido de bolinação. Tem pessoas que são assim mesmo. E é verdade, qualquer um pode colocar uma barba e pintar o cabelo de branco só para conseguir um lugar no ônibus.

  7. è uma faca de dois gumes. Por um lado existem aqueles folgados que abusam, aqueles velhinhos não tao velhinhos que poderiam ir em pé, ou que sentam nos lugares não reservados e deixam o reservado pra gte.. da vontade de pedir: vamos trocar?
    Odeio sentar pois sempre aparece grávidas, velhinhos e deficientes. Quando nao sento nao aparece ninguém =/
    Por outro lado, penso que poderia ser meu avô ali em pé sendo espremido..
    E penso que um dia pode ser eu (embora espero ter carro na minha velhice, estudar e trabalhar tanto pra passar a vida andando a pé não da né)

  8. Você não é a única. Acho que todo mundo já pensou assim um dia, se não nunca soube o que é pegar ônibus lotado depois de um dia cansativo ;( Mas confesso que não gosto de pegar as cadeiras preferenciais – porque basta eu sentar para um(a) idoso/mulher com bebê/ gestante ou etc subir e dai meu lado certinha fala mais alto. E se tem uma coisa que me deixa indignada é quando tem gente em cadeira preferencial e não dá lugar, dai a pessoa fica olhando pra mim, que estou no meu direito, na cadeira minha, como se eu tivesse obrigação de fazer algo. Enfim, estou tagarelando demais. Mas é porque acho que esse assunto é “polêmico” mesmo, haha.

    beijos :*

  9. HAHA É estranho mesmo…o que impede a gente de ser mau caráter…nem imagino o que seja. Só sei que parece que na maioria dos casos dá certo pq né…se a gente for pensar que todo mundo tem um pouquinho de ‘falha de caráter’, neurose virará epidemia. *O*

    Beijos

  10. Amanda isso ai me lembra a atual e maçante novelas das 09na Globo! Fico parando e pensando em quão mau carater as pessoas podem ser e estranho pq não chego a lugar nenhum! Sempre acabo me surpreendendo cada dia com as pessoas e com a tal maçante novela das 09… mas olha, tu não é a única a ter esses pensamentos no ônibus! Acho na verdade que tdo mundo fica divagando sobre a vida enquanto espero o ponto chegar…

    Bjinho

  11. Olá! Tudo bem?
    Essa questão dos assentos é tensa. As vezes tudo que quero eh ir sentada no onibus/metrô e so tem o assento preferencial sobrando. Mesmo que não tenha nenhum usuário dele presente, me sinto como se estivesse fazendo algo indecente haha. fico p*ta mesmo é com quem não cede o lugar. As vezes a pessoa esta la sentada onde não deve, e aparecem aqueles velhinhos fofinhos e frageis ou aquelas gravidas com um barrigão, e o individuo estupido e nonsense permanece sentado como se não fosse com ele. Eu queria ter coragem de falar nessas horas, mas so fico ansiosa esperando alguem ceder o lugar =P.
    De fato, o que nos impede de ser mau carater é o bom senso. Desde criança somos ensinados a ter respeito pelas coisas, pelos outros, pelas regras, então antes de agirmos com mau caratismo, a nossa consciência dá o alerta. Acho isso legal, imagina o caos que seria se todo mundo fosse mau carater enrustido o tempo todo? =P
    Bjs

    ps: ADORO seu blog e leio sempre! xD

  12. Minha mente também viaja dentro do ônibus. E, assim, se não tem nenhum deficiente/grávida/idoso, qual o problema de sentar ali, né? Mas sair fingindo ter alguma coisa para sentar nesse lugar…bom, não sei se eu teria coragem hehe

  13. Pena é coisa que eu não sinto de grávidas, velhos e deficientes. Engravidou porque quis. Envelheceu porque envelhecemos. Deficientes não precisam de pena, mas sim apoio moral.

    Eu também sento nesses lugares, quando vagos, e não me sinto nenhum pouco desconfortável. Assim como os outros são velhos, grávidas ou seiláoquê, eu sou cansada, dolorida e estressada. Esses dias, logo depois de um acidente de carro, fui obrigada a pegar um ônibus. Toda roxa, rasgada e gemendo de dor. Acha que alguém deu o lugar especial pra mim? (só tinha gente desmerecedora sentada) Deu não.

    A sociedade, já diria minha terapeuta, tá povoada por sociopatas!

  14. Mil coisas passam pela minha cabeça dentro do ônibus também, acho que lá é um dos melhores lugares para fazer teses ‘rs. Já pensei nisso por exemplo, sobre caráter, ás vezes é estressante ver que os bonzinhos se ferram ás vezes ( a maioria) os pagadores de impostos sempre são os que menos têm, porém desfaço esse pensamento e vejo que deitar a cabeça no travesseiro com paz na mente é a melhor coisa que há!

  15. Eu já te disse que gosto do seu jeito de falar e escrever que é bem espontâneo. Sério, vc não vai acreditar que sou tão fã que ri nessa parte aqui: “Eu estava lá, sentada numa cadeira para deficiente. Não me olhem assim. Não tinha nenhum deficiente/velhinho/grávida em pé. De modo que não ia ficar em pé, olhando para a cadeira vazia. Tem nem graça.” Adorei! Confesso que no ônibus me passam uma ideias que tb não são convencionais.

  16. Olha eu estou gestante, e vou te dizer uma coisa, se o ônibus acelera ou breca do nada vem o vomito na hora e minha pressão cai, eu quase desmaiei um dia, ai a mulher que estava sentada perguntou, vc está bem? ai falei que estava grávida e quando acontecia isso passava mal, ela disse ah ta (continua em pé então otária, pode desmaiar que não vou te dar o lugar), foi isso que entendi com o ah ta dela, me pergunto pq perguntou se eu estava bem!!??
    Quando estamos gestantes perdemos o equilibrio, barriga cresce fica pesada, por incrivel que pareça com 18 semanas já é um peso a barriga, é mas dificil se segurar sem contar as dores que vc sente de fazer força, bom ai vai de cada um, sempre dei lugares para idosos e gestantes, hoje não tenho o mesmo tratamento, e é muito dificil encarar a educação das pessoas, não vou cutucar o ser ali sentado no preferencial fingindo estar durmindo sem preferência alguma e pedir para se levantar, é complicado, uma vez o cobrador pediu para a mulher levantar, ela quase me bateu.. kkkk .. só rindo mesmo!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s